Era algum momento de 2008 e eu tinha um pequeno blog, ainda com domínio no wordpress, onde postava coisas sobre literatura fantástica, quadrinhos e cultura pop em geral.  

Ali passei a publicar uma espécie de agenda dos eventos que queria participar, muitos deles sendo lançamentos literários ou noites de autógrafos. Então, conheci o Fantasticon

Aquela edição do evento ainda era em conjunto com o Encontro Internacional de RPG e os fãs da literatura fantástica ficavam em um canto perdido do Colégio Arquidiocesano, onde acontecia o evento.  

Entrei com contato com a organização do Encontro Internacional para tentar entender um pouco mais sobre o Fantasticon e pedir detalhes para publicar no meu blog. Quando troquei as primeiras ideias com Silvio Alexandre, o organizador e recebi toda a programação do evento, fiquei fascinado com o projeto. Eram palestras, mesas redondas e bate-papos incríveis sobre ficção científica, terror e fantasia. Era a segunda edição do Fantasticon e já movimentava diversos amantes da literatura fantástica 

Já na terceira edição, em 2009, passei a colaborar com Silvio na organização do evento, publicando conteúdo sobre as atrações nas redes sociais e apoiando com o blog.  

No ano seguinte, mudei a comunicação, criando cartazes, crachás personalizados e uma estratégia transmídia para divulgar e engajar o público participante.  

Nasceu ali a personagem M, uma sombra misteriosa que ilustrava o cartaz oficial e era o alvo de uma investigação particular articulada pela jornalista Therê Monteiro, também criada especialmente para a ação. Esses personagens foram a base inicial para um concurso de contos que teve sua premiação oficial no dia do evento.  

Home do site da edição 2011

Por mais 4 anos colaborei com Silvio Alexandre na organização, cuidando das redes sociais, do site, das palestras e atrações relacionadas às mídias digitais e novos meios de produção e divulgação literária, além de participar ativamente de algumas atrações.  

O Fantasticon deu origem também a um spin-off, o Sarau Fantástico, que trazia a cada mês um tema diferente para discussão e bate-papo na Biblioteca Viriato Corrêa. O local passou a abrigar o Fantasticon a partir da terceira edição e contou com diversas edições do Sarau. 

Durante todos os anos que estive ao lado da organização do Fantasticon, diversas oportunidades bateram à minha porta. Em 2010, enquanto organizava a 3ª edição do evento, mudei o pequeno blog no wordpress para um domínio próprio. Nasceu o Universo Insônia naquele ano.  

Na mesma edição tive o prazer de organizar a atração Multimeios, uma mesa redonda para discutir novas formas de publicação e divulgação literária. Participaram comigo da atração o autor norte-americano Christopher Kastensmidt, o best-seller Eduardo Spohr, que já despontava com o sucesso de A Batalha do Apocalipse e o editor da revista digital Fantástica, Luiz Ehlers.  

Em uma entrevista de emprego no ano de 2011, o diretor de criação da agência ficou muito empolgado quando disse que coorganizava o Fantasticon. Fã do evento e um amante da literatura fantástica, ele logo me contratou e pude trabalhar com grandes clientes naquele ano.  

Aquela participação da atração Multimeios me rendeu o convite de Christopher Kastensmidt para ser jurado do Concurso Hydra de Literatura Fantástica e posteriormente organizar duas edições do concurso. 

Infelizmente, o Fantastion deixou de ser realizado há alguns anos e muita gente me pergunta se um dia ele voltará. Talvez sim, talvez não.  

O que posso dizer com certeza é que o Fantasticon foi um marco na minha carreira, me ensinou muito sobre estratégias para mídias sociais, organização de eventos e a criação de atrações interessantes para diferenciar um evento da sua concorrência ou mercado saturado.